Previdência Privada

Pai e filho juntos previdência privadaO que é?

Previdência Privada é uma solução complementar à Previdência Social. Com ela, você investe pequenos valores periodicamente e proporciona um futuro mais seguro e confortável para você e sua família. Apesar de ser um investimento facultativo, a Previdência Privada é, hoje, uma alternativa bastante procurada pelos brasileiros, com o objetivo de complementação de renda.

Todos os Planos de Previdência Privada são fiscalizados pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), órgão do Governo Federal.

Conheça as características e vantagens do produto

– Não há cobranças de “Come-Cotas” nos fundos: Como não há retenção de IR na fonte (“come-cotas”), a performance do Plano de Previdência é potencializada.

– Fácil na hora de investir: As contribuições podem ser mensais, esporádicas ou realizadas apenas no momento da contratação. Seja qual for a periodicidade, os pagamentos podem ser feitos via débito em conta ou boleto bancário. Além disso, é possível alterar o valor que está sendo investido, fazer aportes extras, suspender as contribuições mensais, e até resgatar o valor acumulado.

– Flexível na alocação de investimentos: É possível investir em diversos perfis de fundos, como Renda Fixa, Multimercado e Ciclo de Vida (alocação dinâmica de ativos). Além disso, você poderá trocar o Fundo de Investimento escolhido, a qualquer momento, ou até mesmo mudar o seu plano de seguradora, através de portabilidade.

– Previdência Privada Infantil: Uma solução de investimento feita pelo responsável legal ou tutor, com o objetivo de acumular recursos que ajudarão na formação acadêmica e no início da vida profissional da criança ou do adolescente.

– Portabilidade: Como a Previdência Privada é um investimento de longo prazo, é importante estar seguro de onde e como aplicar seu dinheiro. Investindo em Previdência Privada, você tem a tranquilidade de poder alterar sua estratégia de investimento, a qualquer momento, se achar necessário. É o que chamamos de portabilidade, ou migração entre planos, garantida pela lei complementar nº 109, de 29/05/2001, que permite que você migre seus recursos de instituição.

Graças a essa flexibilidade, é possível transferir uma parte ou todo o recurso investido, de um Plano de Previdência Privada de Renda Fixa para um Plano de Renda Variável, por exemplo, sem a realização de resgates ou pagamento de Imposto de Renda. É importante destacar que a migração só é possível entre produtos de mesmo tipo e tributação. Ou seja, de PGBL para PGBL, e de VGBL para VGBL.

Se você já tiver contratado um Plano de Previdência Privada pelo seu banco, faça uma comparação com os principais do mercado e escolha a melhor opção para você. Existem planos sem taxa de carregamento de entrada, o que faz toda a diferença no longo prazo, além de taxas altamente competitivas e rentabilidade acima da média.

Como Escolher um Plano de Previdência Privada?

Para contratar um Plano de Previdência Privada, de acordo com o seu perfil, é necessário seguir três passos importantes, que estão detalhados abaixo. O primeiro deles é a escolher a modalidade (PGBL ou VGBL), o segundo é escolher o regime de tributação (Tabela Progressiva ou Regressiva), e o terceiro é identificar a modalidade de plano ideal (Renda Fixa, Multimercado ou Ciclo de Vida).

  1. Tipos de Modalidades

– PGBL

Ideal para quem declara o IR pelo modelo completo, e contribui para o INSS. Permite o benefício fiscal na Declaração de Imposto de Renda, durante o período de acumulação.

Os valores investidos no plano podem abater até o limite de 12% da base de cálculo, na Declaração Anual de IR.

O Imposto de Renda incide sobre o valor total resgatado.

– VGBL

Ideal para quem é isento ou declara o IR pelo modelo simplificado. Também é indicado para quem deseja aplicar mais de 12% da sua Renda Bruta em Previdência Privada, ou apenas diversificar investimentos.

Os valores investidos no plano não são dedutíveis do Imposto de Renda.

O Imposto de Renda incide apenas sobre os rendimentos. As contribuições realizadas não são tributadas.

  1. Tipos de Tributação

No momento da contratação do plano, você poderá optar entre dois diferentes tipos de regime tributário:

– Tabela Progressiva

No momento do resgate, a tributação ocorre na fonte, à alíquota de 15%, com posterior ajuste na Declaração Anual do Imposto de Renda.

No momento do recebimento da aposentadoria, a tributação ocorre conforme a tabela progressiva do imposto de renda.

Ideal para quem tem objetivos de médio prazo.

– Tabela Regressiva

No momento do resgate, a tributação ocorre à alíquota inicial de 35%, nos primeiros 2 anos, podendo chegar até 10%, após 10 anos de permanência no plano.

No momento do recebimento da aposentadoria, as alíquotas são decrescentes em função do tempo de permanência de cada contribuição no plano.

Ideal para quem tem objetivos de longo prazo.

  1. Tipos de Plano

– Fundos de Renda Fixa

Fundos que investem em Títulos de Renda Fixa atrelados à taxa de juros Selic, ao CDI ou até mesmo à inflação (IPCA). Em sua maioria, são compostos por Títulos Públicos de longo e/ou curto prazos.

– Fundos Multimercados

Fundos que investem, no máximo, 49% de seus recursos em Renda Variável. Como a porcentagem investida em ações varia de fundo para fundo, é possível encontrar produtos que atendam aos diferentes perfis de investimento.

– Fundos Ciclo de Vida

Fundos Multimercados com alocação dinâmica, que são mais agressivos no início, e se tornam mais conservadores ao longo do tempo. Os Fundos Ciclo de Vida investem em Renda Fixa de curto e longo prazos, inflação e Renda Variável, e permitem ao cliente escolher quando quer utilizar seus recursos.

Antes de contratar um plano de Previdência Privada, é importante analisar os três fatores que mais influenciam na rentabilidade final:

Taxa de carregamento

Taxa de administração

Rentabilidade